Redação/RedeTV!

De acordo com o UOL, lojas da Grande Fortaleza fecharam mais cedo nesta segunda-feira (7) após recados com ameaças de ataques terem sido supostamente divulgados por integrantes de facções criminosas.

A Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Ceará emitiu uma nota nesta segunda-feira (7) pedindo que a população não seja influenciada por “disseminação de boatos e ameaças ao comércio da capital e região metropolitana”. “Essa ação criminosa é uma reação à enérgica resposta dada à criminalidade pelas forças de segurança do Ceará e tropas federais, nas ruas e unidades prisionais, para estabilização da lei e da ordem”.

O telefone 181 e o WhatsApp da Secretaria (85) 98969.0182 foram disponibilizados para que a população denuncie casos.

6º dia de ataques

No sexto dia da onda de ataques violentos no Ceará, foram registrados na madrugada desta segunda (7), ao menos três ataques comandado por criminosos. Os bandidos incendiaram uma ambulância em Reriutaba, atacaram uma rádio e a Câmara dos Vereadores da cidade de Icó.

Ainda durante a madrugada, criminosos incendiaram uma estação ambiental localizada na Praia Requenguela, no município de Icapuí. O crime aconteceu por volta das 23h.

Segundo a polícia militar, equipes do Corpo de Bombeiros se deslocaram até o local para conter o incêndio.

Pouco depois, uma oficina mecânica que presta serviços para a Enel, empresa responsável pelo fornecimento de energia local, também foi alvo de ataques criminosos. Ao menos dois veículos foram danificados com as chamas. O foco de incêndio foi controlado pelo proprietário da oficina com o auxílio de vizinhos.

Chefes de facções 

O governo federal, por meio do Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP), disponibilizou 60 vagas em presídios federais de segurança máxima para detentos que estão no em penitenciárias do Ceará. O estado vive uma onda ataques contra veículos, órgãos públicos, agências bancárias, estabelecimentos comerciais e equipamentos de segurança.Os atentados, organizados por facções criminosas, com forte atuação dentro dos presídios, seriam uma represália ao anúncio do governo estadual de medidas para endurecer as regras no sistema carcerário estadual.

Segundo a Secretaria de Administração Penitenciária do Ceará, um preso já foi transferido e outros 19 estão sendo embarcados nas próximas horas, totalizando 20 transferências de forma imediata. A identidade dos detentos não foi divulgada, mas são lideranças das facções que atuam no estado, vinculadas a grupos como o Comando Vermelho (CV) e Guardiões do Estado (GDE). Também não foi informado para quais dos cinco presídios federais os presos estão sendo remanejados. O governo analisa a transferência de mais presos ao longo dos próximos dias.

A população carcerária do estado ultrapassa os 29,5 mil detentos, incluindo presos provisórios e aqueles dos regimes semiaberto e fechado. O número total de vagas, no entanto, é de pouco mais de 13 mil, somando todas as unidades prisionais do estado, uma superlotação de quase 60% da capacidade, segundo os dados mais recentes do governo do estado.

Em varredura nos presídios do estado nos últimos dias, foram apreendidos, segundo o governo, cerca de 400 celulares e alguns aparelhos de televisão, em número não informado. Não houve registro de incidentes nas unidades e, em duas delas, as visitas foram suspensas ao longo do fim de semana, por razões de segurança.

Nesse domingo (6), a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) do Ceará confirmou a prisão de 110 suspeitos de envolvimento nos ataques criminosos dos últimos dias. A Polícia também informou a morte de ao menos três pessoas, supostamente em confronto com as forças de segurança.

Ajuda federal reduz ataques

Agentes da Força Nacional de Segurança também estão atuando nas ruas da capital desde sábado (5). A reportagem da Agência Brasil registrou a presença do efetivo em algumas avenidas e terminais de ônibus da capital. No terminal Antônio Bezerra, no bairro de mesmo nome, os agentes federais davam suporte à segurança do local, de onde partiam e chegavam ônibus urbanos que circularam pela capital ao longo do dia. Uma equipe de três policiais militares escoltava cada veículo coletivo.

De acordo com balanço do Ministério da Justiça e Segurança Pública, o número de ataques em Fortaleza e região metropolitana caiu nas primeiras 24 horas de atuação da Força Nacional de Segurança Pública.

Os ataques, que chegaram a 45 na quinta-feira (3) e 38 no sábado (5), caíram para 23 neste domingo (6), informou a pasta, em nota. Ao todo, a Força Nacional participa de ações de segurança com um efetivo de 330 homens e 20 viaturas, em ações de patrulhamento ostensivo, preventivo e repressivo em pontos importantes como terminais rodoviários e vias de grande circulação. Os agentes federais permanecerão no estado pelo prazo inicial de 30 dias, que poderá ser prorrogado.